Busca por palavras

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

A Ênfase da Pregação Pentecostal (Parte 2)

Como já mencionado na primeira parte deste artigo, muitos reformados afirmam que a ênfase nos dons espirituais dada pelos pentecostais em suas pregações gera cristãos imaturos. É uma tese interessante e que pode gerar no ouvinte incauto a ideia errônea de que, de fato, os pentecostais são imaturos por que não dão ênfase ao novo nascimento, mas à experiência extática do falar em outras línguas. Levantei então uma nova tese, a de que a imaturidade pentecostal se dá pelo fato de as igrejas pentecostais crescerem muito e assim sempre terem em seus quadros pessoas imaturas, assim como pessoas maduras, que aprenderam a serem cristãos maduros com o tempo e através do estudo da Palavra e do agir do Espírito Santo. Minha missão é, nesta e nas próximas postagens, tentar provar minha tese sem desprezar a dos meus irmãos reformados, já que admiti que isso aconteça, e é um desvio doutrinário sério, mas não é a razão principal da tão alardeada e criticada “imaturidade pentecostal”. Seguem então abaixo meus argumentos:

1 - A ênfase da Pregação Pentecostal é a salvação em Cristo.

Isso mesmo, a ênfase da pregação pentecostal não é o revestimento pentecostal em si, mas a salvação em Cristo, de fato, pelas próprias Escrituras, o revestimento de poder do alto vem para capacitar o cristão a anunciar o Evangelho. Veja o que está escrito em Atos 1.8:

“Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra".

De fato, pelas Escrituras, entendemos que o batismo com o Espírito Santo dá ao cristão autoridade e capacidade para anunciar o Evangelho. Logo, tudo gira em torno do Evangelho. Veja outro texto enfático sobre isso:

E lhes disse: "Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos no terceiro dia, e que em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vocês são testemunhas destas coisas. Eu lhes envio a promessa de meu Pai; mas fiquem na cidade até serem revestidos do poder do alto". (Lucas 24:46-49)

Em Atos, no dia de pentecostes, a promessa se cumpre e veja o que Pedro afirma:

Pedro respondeu: "Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos seus pecados, e receberão o dom do Espírito Santo. Pois a promessa é para vocês, para os seus filhos e para todos os que estão longe, para todos quantos o Senhor, o nosso Deus chamar". (Atos 2:38,39)

Percebeu que a promessa do revestimento de poder tem como finalidade a pregação do Evangelho? Percebeu também que ela vale para todo cristão?

Quando eu conheci a Cristo, numa igreja pentecostal, não fui apresentado ao evangelho das línguas estranhas ou da profecia pós-escritura, fui apresentado ao Evangelho de Cristo, à salvação em Cristo pela graça mediante a fé. Posteriormente fui apresentado à doutrina dos dons espirituais e convidado a buscá-los para anunciar o Evangelho com poder. Depois de algum tempo, o experimentei, e é claro que algumas lições tiveram de ser aprendidas em relação aos dons, tive de sujeitar minhas experiências à Palavra e isso não é fácil. Tive como auxílio irmãos que puderam me orientar, e a própria teologia pentecostal. Sei que muitas igrejas supervalorizam os dons espirituais, como se o fim do Evangelho fosse o falar em línguas estranhas, mas esse é um desvio da própria doutrina pentecostal e que deve ser combatido nas igrejas carismáticas como um todo. Como vemos, apesar de esse desvio doutrinário existir em muitas igrejas pentecostais, o pentecostalismo histórico resiste, tanto que pude alcança-lo.

Nas próximas postagens me aprofundarei mais na questão da “imaturidade pentecostal”.


Paz do Senhor Jesus!
Postar um comentário

Talvez você goste também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...