Busca por palavras

sábado, 20 de agosto de 2016

Definindo uma "igreja" herética?


Para falarmos sobre "igrejas" héticas, precisamos primeiro definir o que é igreja e o que é heresia.

A palavra "igreja" vem do grego ekklesia e significa "reunião de um povo convocado". 

A palavra "heresia" vem do latim haeresis e significa ensino ou opinião contrária à concepção de determinado grupo ou discordância daquilo que é tido como ortodoxo.

Como vemos, a Igreja é um conjunto dos indivíduos que foram convocados por Deus à salvação em Cristo (Rm 8:28-30; Ef 1:18; 4:4). Normalmente utilizo a palavra igreja, com i minúsculo, para designar qualquer instituição eclesiástica e Igreja, com I maiúsculo, para designar a Igreja como definida acima, o grupo de todos os salvos do passado, do presente e do porvir. Já heresia é uma tese que destoa dos artigos de fé já estabelecidos e amplamente aceitos pela Igreja. Como vemos, heresia, no original, é algo relativo, porém se cremos que os valores bíblicos são absolutos, logo podemos dizer que é possível determinar heresias de forma absoluta. Para cada grupo há um padrão de ortodoxia. Para os islâmicos esse padrão é o Corão, para os kardecistas, os escritos de Allan Kardec, para os católicos, um misto de autoridade da Escritura, do Papa e da tradição oral e para os protestantes, a Escritura somente. 

O padrão de uma igreja sadia deve ser a Escritura, somente a Escritura, e isso não anula a possibilidade da manifestação de profecias, revelações, visões, etc.. Neste caso, nós pentecostais, como defensores da atualidade dos dons do Espírito e do Sola scriptura, asseveramos que qualquer manifestação extra-escriturística deve apontar para as verdades da Escritura e nunca contradizê-las. Logo podemos dizer que através dos dons do Espírito, Deus nos alerta sempre para as verdade da Escritura e, se assim não for, devem ser rejeitadas quaisquer manifestações. É daí que vem o grande problema de interpretação do conselho de Paulo de julgar as profecias (1 Co 14.29). Paulo ali não falava das profecias do Antigo testamento, ou dos ensinos dos apóstolos, mas sim das profecias manifestas nos cultos, as quais precisavam ser analisadas à luz da Escritura e do dom de discernimento de Espíritos (1 Co 12:10). Muitos crentes se perdem nisso. Uns aceitam falsas profecias, e outros, falsos ensinamentos. O erro é o mesmo, pois o mesmo Espírito dá a profecia e a ciência e nos alerta tanto sobre falsos profetas, quanto sobre falsos mestres (2 Pe 2:1; Mt 7:15; At 20:29). Podemos mesmo dizer que a Igreja jamais é herética, porém as igrejas sim. Pois o conjunto dos salvos em Cristo segue a Cristo (Jo 10:27) e não a falsos profetas ou falsos mestres.

Mas qual é mesmo a marca de uma igreja herética? Qual é aquele sinal que é infalível? Podemos dizer que o cristianismo autêntico é pautado sempre por Cristo. A Escritura revela Cristo de Gênesis a Apocalipse. A grande marca da uma igreja herética é, não o cristocentrismo, mas o antropocentrismo, ou seja, o homem no centro e não Cristo. Neste caso, tudo nessas igrejas, substitui a Cristo. O dinheiro, os milagres, os anjos, os santos, um profeta, o próprio homem e tudo ao redor da satisfação do ego humano. O cristianismo é mesmo teocêntrico. Não podemos fugir disso ao custo de nos afastarmos da verdade do Evangelho (Hb 3). Essa é a marca das falsas igrejas e dos falsos ensinos que muitas vezes permeiam igrejas sérias (oremos por elas).

Tenha por certo que qualquer adoração a santos, ao dinheiro, aos homens de "deus" e ao próprio homem de uma forma geral não faz parte da vivência de uma igreja verdadeiramente chamada, convocada, por Deus!

Somente a Deus a Glória!

Talvez você goste também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...